Review: The City and the Stars

The City and the Stars
The City and the Stars by Arthur C. Clarke
My rating: 3 of 5 stars

Este livro de 1954 de Arthur C. Clarke resultou da reescrita da novela de 1948 “Against the Fall of The Night”. Nota-se desde logo que se trata de uma das primeiras obras escritas por este autor, na medida em que a prosa tem partes algo maçudas e desinteressantes, dificultando a leitura e provocando a vontade de parar de ler. No entanto, este livro contém algumas ideias interessantes que foram posteriormente desenvolvidas por A. C. Clarke em obras mais recentes.

A ação decorre no futuro, tendo decorrido 1 bilião de anos desde o tempo presente, na única cidade do planeta Terra que ainda sobrevive, designada por Diaspar. Após terem desenvolvido tecnologias que lhes permitiram viajar pela galáxia, os seres humanos regressaram à Terra e ficaram confinados à cidade de Diaspar, uma vez que a isso foram obrigados por uma raça superior alienígena, Os Invasores. No momento em que a história se inicia, os seres humanos de Diaspar desenvolveram tecnologias muito avançadas e a imortalidade através do armazenamento das suas personalidades num supercomputador maciço que gere a cidade e as vidas dos respetivos habitantes. Este computador é tão avançado que permite satisfazer quaisquer necessidades das pessoas, criando todo e qualquer produto que seja necessário a partir de modelos testados e armazenados na memória da máquina. Em consequência, o tempo de que as pessoas dispõem é ocupado em eventos sociais, jogos de realidade virtual e entretenimento. Ninguém tem necessidade de sair da cidade, o mero pensamento em abandonar os muros da cidade tornou-se um tabu.

Neste contexto, as pessoas não morrem, de tempos a tempos abandonam a existência física, mas a sua personalidade é armazenada na máquina, para serem acordados centenas de anos no futuro. Quando as pessoas regressam à existência física existe um período de crescimento durante o qual vão recordando as suas memórias de vidas passadas. Ora, o protagonista da história, Alvin, é-nos descrito como a única exceção a esta norma, apesar de terem surgido outras pessoas no passado que arriscaram abandonar a cidade (mas essas nunca mais foram vistas). A personalidade de Alvin difere das restantes na medida em que não recorda vidas passadas e possui um fascínio por abandonar a cidade e explorar o mundo que existe fora dos muros da urbe.

Eventualmente, Alvin acaba por conseguir sair de Diaspar, viajar para outra cidade, Lys, e encontra uma cultura totalmente diferente, na qual as pessoas desenvolveram capacidades sobre-humanas tais como a telepatia, vivem em comunhão com a natureza renunciando à tecnologia e desprezaram a imortalidade, reproduzindo-se naturalmente. Se em Diaspar não existem bebés nem crianças, em Lys essa é uma das primeiras observações com que Alvin se depara. No entanto, à semelhança da cultura de Diaspar, também em Lys se criou o tabu do isolamento, e ninguém pensa sequer em contactar Diaspar, apesar de saberem da sua existência.

Em Lys, Alvin desenvolve a sua personalidade e faz o seu primeiro amigo, Hilvar, com quem explora as redondezas de Lys para encontrar um robot que lhe proporciona os meios para prosseguir a sua aventura fora do planeta, viajando pela galáxia, na tentativa de determinar as razões que levaram os seres humanos a abandonar uma existência galáctica, preterindo-a em favor do confinamento num planeta e numa cidade. As viagens no espaço sideral levam-nos a vários planetas onde eventualmente descobrem uma forma de vida alienígena que lhes permite compreender, enfim, os motivos que levaram a espécie humana a desistir das suas conquistas no cosmos, abrindo uma nova era na existência dos seres humanos.

Apesar da dificuldade que senti na leitura de certas partes da narrativa, esta livro permite-nos, ainda assim, refletir sobre a natureza humana, o papel da amizade no desenvolvimento da personalidade, o confronto de culturas diferentes, o papel que a religião desempenha na sociedade e os perigos da tecnologia. Não sendo definitivamente dos melhores livros que li deste autor, não deixei, ainda assim, de apreciar a sua leitura.

View all my reviews

Sobre Nuno Magalhães Ribeiro

Professor Universitário e Autor especialista em Engenharia Informática.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s