Understanding how Big Data can Help Improve Teaching, With 2 Examples

We’ve Been Hearing a lot About Big Data Lately, but What Does it Mean for Educators? Wikipedia defines Big Data as, “a blanket term for any collection of d

Source: www.emergingedtech.com

A utilização de Big Data que existe atualmente online traz consigo um potencial transformador das formas como o professor ensina e como os estudantes aprendem. este artigo explica de uma forma sucinta, recorrendo a dois exemplos concretos, de que modo a Big Data pode proporcionar ferramentas mais eficazes para os professores compreenderem melhor as necessidades dos seus alunos, o que lhes pode conferir melhores oportunidades para serem bem sucedidos na respetiva aprendizagem e desenvolvimento de competências.

Anúncios
Publicado em Scoop.it | Etiquetas , , , | Publicar um comentário

The 7 characteristics of a digitally competent teacher

Being a proper digitally competent teacher is not as simple as picking up an iPhone and tweeting. You need to be a good digital citizen, understand privacy, and more. In an effort to clarify and explain some of the most important characteristics that a digitally competent teacher must have, we whipped up this fun visual. …

Source: dailygenius.com

Os aspetos mais importantes a que um professor competente deve dar atenção na atual sociedade da informação em que as ferramentas e a informação multimédia digital devem ser usadas para enriquecer o discurso, complementar a formação, mas nunca substituir a capacidade de pensar nos problemas e desenvolver abordagens inovadoras.

Publicado em Scoop.it | Etiquetas , , , , , , | Publicar um comentário

Review: A 5ª Vaga

A 5ª Vaga
A 5ª Vaga by Rick Yancey
My rating: 4 of 5 stars

“A 5ª Vaga” de Rick Yancey é livro que desenvolve uma narrativa original sobre uma invasão extraterrestre do planeta Terra, recriando um cenário pós-apocaliptico, tipicamente distópico, que tem vindo a ser explorado na literatura mais recente deste sub-género da Ficção Científica. Misturando elementos introduzidos em outras obras similares, tais como “A Passagem” de Justin Cronin e “O Jogo Final” de Orson Scott Card, com descrições quase cinematográficas que evocam a série de TV “Falling Skies” de Robert Rodat, não deixa de ser uma história com aspetos inovadores que nos vai cativando cada vez mais, à medida que se vão desvendando os contornos das sucessivas vagas da invasão extraterrestre.

À semelhança daquelas obras, também aqui se centra a narrativa em torno de personagens adolescentes/jovens adultos, explorando as várias dimensões das emoções humanas e da afeição que caracteriza as relações entre seres humanos, desenvolvendo, no entanto, um conceito original de alien, explorando mais aprofundadamente a psicologia dos invasores extraterrestres e a forma pela qual poderão ser derrotados por uma espécie humana dizimada por sucessivas vagas de devastação tecnológica, tsunamis, um surto epidémico global e assassinos infiltrados.

Para mim, os aspetos mais interessantes deste livro residem nas auto-reflexões de Cassie, Ben e Evan, muitas delas sarcásticas e, por isso, recheadas de humor, cada um deles confrontado com os respetivos medos, anseios, desilusões e expectativas, e que nos vão sendo apresentados em paralelo com os eventos que desenvolvem a ação. As partes de Ficção Científica que abordam a espécie alienígena. os seus artefatos e as suas capacidades tecnológicas, apesar de desenharem um cenário possivelmente verosímil, são, no entanto, diminutas, já que o livro privilegia a intensidade dramática associada às reações e relacionamentos entre os personagens. No que diz respeito ao fio narrativo, o livro não desilude, uma vez que à medida que a história se desenvolve, a tensão a que os personagens estão sujeitos vai igualmente aumentando até ao desenlace final.

Sendo o 1º livro de uma trilogia, “A 5ª vaga”, que tem já uma versão cinematográfica realizada por J Blakeson em pré-produção, termina com um sentimento de esperança para a Humanidade, mas deixa no ar um conjunto de incógnitas que prometem ser desvendadas nos próximos livros, estando o 2º volume da trilogia programado para ser lançado no próximo mês de Setembro de 2014.

View all my reviews

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Review: The Martian

The Martian
The Martian by Andy Weir
My rating: 5 of 5 stars

Este livro é tão espantoso, está tão bem escrito, é tão empolgante e fácil de ler, com os eventos a ocorrerem a um ritmo tal que a tensão da narrativa não me deixou largá-lo até ter voltado a última página! Posso afirmar sem qualquer sombra de dúvida que este livro especial irá integrar a minha short list dos melhores livros de Hard SciFi de sempre.

O livro descreve a história do astronauta Mark Watney, um engenheiro mecânico/botânico que, tendo sido abandonado em Marte após uma tempestade que levou a abortar a missão originalmente prevista para 30 sols (dias solares marcianos) ao fim do segundo sol, tenta sobreviver recorrendo aos poucos recursos que integravam a missão original. A narrativa está construída em torno de entradas que Mark vai acrescentando ao seu diário de missão à medida que o tempo vai passando. Neste contexto adverso, o autor construiu uma história original e irresistível, centrada em personagens e acontecimentos tão realistas que cativam o leitor desde a primeira página. Na minha opinião, há dois aspetos que contribuem para fazer deste um livro muito especial: a forma como a ciência é usada e descrita e o humor que permeia os diálogos e os pensamentos do astronauta.

Em primeiro lugar, o autor baseia todas as ações em factos científicos concretos e explica-os da perspetiva de Mark. É precisamente esta forma cientificamente correta de explicar os acontecimentos que torna a história tão credível. Por outro lado, o humor é absolutamente irresistível. Estes dois aspetos, conjugados com passagens arrepiantes de sobrevivência num ambiente extremamente hostil proporcionam entretenimento e conhecimento em doses igualmente elevadas.

Este é um livro *obrigatório* e altamente aconselhado para os aficionados de Ficção Científica.

View all my reviews

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Review: O Oceano no Fim do Caminho

O Oceano no Fim do Caminho
O Oceano no Fim do Caminho by Neil Gaiman
My rating: 1 of 5 stars

Este livro de Neil Gaman é uma grande desilusão, porque é extremamente aborrecido, não tendo sido capaz de me captar a atenção de tal modo que, em certos capítulos, tive necessidade de me obrigar a continuar a ler para chegar ao fim. Para mim, o livro sofre de alguns problemas que o tornam monótono e muito pouco interessante.

Em primeiro lugar, a narrativa está escrita de uma forma muito crua, com frases curtas e secas e descrições/diálogos que não transmitem os sentimentos, ou emoções, das personagens, fazendo com que a experiência de leitura seja um pouco árida e pouco motivadora. Para além disso, apesar de conter algumas reflexões sobre a dicotomia infância/idade adulta, que poderiam até levantar questões interessantes para levar o leitor a refletir, acabam por não passar de uma grande quantidade de lugares-comuns, isto é, trivialidades que não acrescentam nada a quem gosta de ler e já teve a oportunidade de ler e refletir sobre grandes obras escritas por grandes autores.

Por outro lado, as metáforas que são utilizadas pelo autor não me conseguiram levar a estabelecer qualquer relação com a minha experiência de vida, oo, de resto, com qualquer outra situação concreta que pudesse estar relacionada com a ideia que o autor quis explorar.

Para concluir, apesar de ser notória uma certa nostalgia da personagem principal face à sua infância, o autor é incapaz de transmitir ao leitor qual é o objetivo desta história para além de concluir que o protagonista cinquentão tem muitas saudades das peripécias que viveu na sua infância e que teve pena de esquecer ao longo da vida, mas que recordou quando fez uma visita à aldeia em que cresceu quando era criança. Confesso que não estava à espera de tão pouca originalidade num livro de Neil Gaman.

Em suma, maçudo, mal construído e desapontador, trata-se de um livro que não aconselharei a ninguém que preze o seu tempo e gosta de uma boa experiência literária.

View all my reviews

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Review: Convergente

Convergente
Convergente by Veronica Roth
My rating: 4 of 5 stars

Trata-se de uma conclusão interessante para a trilogia Divergente/Insurgente/Convergente de Veronica Roth. Lê-se com interesse, mas as modificações que a autora operou na personalidade dos protagonistas desvirtua, de algum modo, as expectativas levantadas nos 2 primeiros livros. A minha opinião é que a autoria escreveu uma conclusão competente para a sua obra.

Convergente conclui com mestria a trilogia de Veronica Roth. À semelhança que sucedeu em “Insurgente”, neste 3º volume da trilogia, Veronica Roth volta a surpreender fortemente o leitor com a evolução psicológica que opera nas personagens principais, ao mesmo tempo que adensa a narrativa e vai fornecendo explicações para todas as questões introduzidas nos 2 primeiros volumes. Para este livro, Roth escolheu desenvolver a narrativa de duas perspetivas distintas, do ponto de vista de Tris, alternada com o ponto de vista de Quatro, ao mesmo tempo que nos proporciona com uma visão mais madura do respetivo relacionamento romântico.

De facto, se em “Insurgente” a história se centra na revolta sentida por Tris que foi causada pela descoberta de si própria na sua busca por ser livre, em “Convergente” a narrativa centra-se na descoberta que Tris finalmente faz de si mesma, reconhecendo finalmente que é capaz de tomar decisões e avaliar as respetiva consequências. Por isso, este livro retrata uma Tris e um Quatro que são já jovens adultos com uma consciência mais clara dos papéis do tipo de pessoas que são e das decisões que devem tomar e que vão definir os rumos das suas vidas. Divergente foi adolescente, Insurgente foi jovial e Convergente é ponderado.

Convergente é um livro que ao mesmo tempo entusiasma e comove o leitor porque a seguir à explosão de liberdade inicial que advém do alargamnto do conhecimento que têm sobre o seu mundo, sobrevém um subsequente reconhecimento e aceitação da sua pequenez face à imensidão que descobrem existir e dos papéis que ambos têm que desempenhar para continuarem a viver. Voltando a ser um livro que difere muito do anterior, Convergente mantém os mesmos ingredientes que prendem irremediavelmente a atenção do leitor e não o deixam largar o livro até que a última página tenha sido lida, provocando em quem lê emoções fortes, seja de revolta, incredulidade ou resignação: Convergente não deixa ninguém Indiferente.

Para finalizar, deixo uma nota de apreciação ao excelente trabalho da tradutora e da Porto Editora pelo cuidado com que a obra foi publicada, não contendo quaisquer erros ou gralhas que muitas vezes distraem e irritam o leitor. Por tudo isto não posso deixar de aconselhar a leitura deste livro, mas aconselho cuidado, porque depois de virar a primeira página não vai conseguir parar de ler!

View all my reviews

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

The Epic Ebook Guide

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

“eBooks are around us. Do you know how to find them? What apps should you use? Do you know how to publish one? This epic eBook guide will help you understand how to download ebooks, use ebookstores, and how to find free and inexpensive ebooks and how to self publish.”

Nuno Magalhães Ribeiro‘s insight:

Os ebooks são um tipo de aplicação multimédia que se impôs nos últimos anos como uma séria alternativa à tecnologia analógica baseada em papel, fruto das muitas vantagens que o suporte digital proporciona para melhorar a experiência da leitura. O Epic Book Guide, descrito neste artigo, é interessante na medida em que ajuda a compreender que apps de leitura de ebooks existem, como as utilizar, para que servem e onde as obter; onde e como descarregar ebooks em vários formatos a partir de sites online; onde encontrar edições gratuitas de livros eletrónicos na Internet e como desenvolver edições de autor em que cada pessoa pode publicar e distribuir um ebook da sua autoria.

See on www.coolcatteacher.com

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

The Strength of Simple Videos

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

“Over the last month I’ve facilitated a handful of workshops on the topic of video creation in the classroom. One of the points that I always try to stress in those workshops is that the focus of most student video projects should be on developing and delivering clear story lines. Yes, it is great if students use slick transitions and special effects, but those don’t mean a thing if the video doesn’t have a clear purpose (unless that purpose is to demonstrate editing skills).”

See on www.freetech4teachers.com

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

O que são Codecs, quais são os tipos, pra que servem? Saiba mais sobre esse … – Canaltech

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

O que são Codecs, quais são os tipos, pra que servem? Saiba mais sobre esse …
Canaltech
Sua vantagem sobre o H.264 é que tem algoritmos de compressão inferiores, o que torna a codificação bem mais rápida.

See on canaltech.com.br

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Deflate

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

O deflate é um método de compressão sem perdas e uma técnica de codificação de entropia, baseado na combinação do algoritmo LZ77 com Huffman. Foi originalmente definido por Phil Katz e mais tarde e…

Nuno Magalhães Ribeiro‘s insight:

Artigo sobre o método de compressão Deflate que é utilizado para codificar imagens digitais no formato PNG.

See on multimediacompression.wordpress.com

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Codificação Aritmética

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

A codificação aritmética é um técnica de compressão de tamanho variável da qual também faz parte também por exemplo, a codificação de Huffman. No caso da codificação de Huffman esta só produz códig…

Nuno Magalhães Ribeiro‘s insight:

Artigo que resume a técnica da codificação aritmética para a compressão sem perdas de informação multimédia, usada em formatos de codificação de imagem (JPEG) e vídeo digital (MPEG).

See on multimediacompression.wordpress.com

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

9 Tips Every Teacher should Know about Google Scholar | Educational Technology and Mobile Learning

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

Google Scholar is among the best scholarly search engines online yet only a few select of educators know its secrets.As a rule of thumb that applies to all Google products, the effective use of any service from Google s can only be achieved through mastering its deep and hidden features. We have seen in the previous post how filtering a Google search using the keyword ” digital literacy ” reduced the generated results from 430.000.000 to 90.000.000 which eliminated so much of junk information that could cost you a lot of time going through it. I believe  information literacy is a skill that every teacher should master and teach his/her students about. In this regard and to help teachers leverage the potential of Google services in their teaching , Educational Technology and Mobile Learning has recently started out a series of  illustrative guides that addresse those particular things that educators need to know in order to better manipulate their ” Googling” experience.

Nuno Magalhães Ribeiro‘s insight:

Sugestões muito interessantes para a utilização pedaógica do Google Scholar!

See on www.educatorstechnology.com

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

A Brief History of EdTech (Infographic)

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

For the first time in our history, we see personalization of learning for each individual student as a reality. With new technologies growing at a breakneck pace, we’re excited to work with our schools to see what this decade will become.

See on gettingsmart.com

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

9 Apps for Creating Multimedia Content

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

Until a few years ago designing an attractive presentation, or any other form of multimedia content, required expert designers. You first had to explain your idea to the designer who would then spend hours in isolation, using complex tools and software, to turn them into reality. Most of the times, however, you would still go away dissatisfied with the final product.

 

However, this is no more the case thanks to different online tools available freely on the internet. Using these tools,you can create multimedia content in a matter of minutes. You no longer need to explain your brains out to a designer who would still prefer following his own ideas. There’s also no need for any complex applications and prior designing knowledge.

Nuno Magalhães Ribeiro‘s insight:

Uma resenha de 9 sistemas de autoria de conteúdos multimédia muito interessante e atualizada.

See on inspiredm.com

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

The Cognitive Theory of Multimedia Learning

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

Presentation overviewing the Cognitive Theory of Multimedia Learning and implications for future research.

See on www.slideshare.net

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Tech Transformation: Developing 21st Century Skills through Multimedia

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

See on www.maggiehosmcgrane.com

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

A nova indústria dos ebooks

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

See on exame.abril.com.br

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Google’s Ray Kurzweil predicts how the world will change

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

Ray Kurzweil is sitting in an office in San Francisco’s tallest building overlooking the Golden Gate Bridge. Over 45 minutes, speaking rapidly in monotone sentences dense with facts and ideas, Google’s director of engineering has outlined a future for the world that would seem incredible, were it not that this man has a 30-year track record of making seemingly bonkers predictions that have proved to be accurate. Among other things, Kurzweil predicted that the internet would become central to our lives when it was still a niche and unreliable network in the Eighties…

See on jimidisu.com

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Review: The City and the Stars

The City and the Stars
The City and the Stars by Arthur C. Clarke
My rating: 3 of 5 stars

Este livro de 1954 de Arthur C. Clarke resultou da reescrita da novela de 1948 “Against the Fall of The Night”. Nota-se desde logo que se trata de uma das primeiras obras escritas por este autor, na medida em que a prosa tem partes algo maçudas e desinteressantes, dificultando a leitura e provocando a vontade de parar de ler. No entanto, este livro contém algumas ideias interessantes que foram posteriormente desenvolvidas por A. C. Clarke em obras mais recentes.

A ação decorre no futuro, tendo decorrido 1 bilião de anos desde o tempo presente, na única cidade do planeta Terra que ainda sobrevive, designada por Diaspar. Após terem desenvolvido tecnologias que lhes permitiram viajar pela galáxia, os seres humanos regressaram à Terra e ficaram confinados à cidade de Diaspar, uma vez que a isso foram obrigados por uma raça superior alienígena, Os Invasores. No momento em que a história se inicia, os seres humanos de Diaspar desenvolveram tecnologias muito avançadas e a imortalidade através do armazenamento das suas personalidades num supercomputador maciço que gere a cidade e as vidas dos respetivos habitantes. Este computador é tão avançado que permite satisfazer quaisquer necessidades das pessoas, criando todo e qualquer produto que seja necessário a partir de modelos testados e armazenados na memória da máquina. Em consequência, o tempo de que as pessoas dispõem é ocupado em eventos sociais, jogos de realidade virtual e entretenimento. Ninguém tem necessidade de sair da cidade, o mero pensamento em abandonar os muros da cidade tornou-se um tabu.

Neste contexto, as pessoas não morrem, de tempos a tempos abandonam a existência física, mas a sua personalidade é armazenada na máquina, para serem acordados centenas de anos no futuro. Quando as pessoas regressam à existência física existe um período de crescimento durante o qual vão recordando as suas memórias de vidas passadas. Ora, o protagonista da história, Alvin, é-nos descrito como a única exceção a esta norma, apesar de terem surgido outras pessoas no passado que arriscaram abandonar a cidade (mas essas nunca mais foram vistas). A personalidade de Alvin difere das restantes na medida em que não recorda vidas passadas e possui um fascínio por abandonar a cidade e explorar o mundo que existe fora dos muros da urbe.

Eventualmente, Alvin acaba por conseguir sair de Diaspar, viajar para outra cidade, Lys, e encontra uma cultura totalmente diferente, na qual as pessoas desenvolveram capacidades sobre-humanas tais como a telepatia, vivem em comunhão com a natureza renunciando à tecnologia e desprezaram a imortalidade, reproduzindo-se naturalmente. Se em Diaspar não existem bebés nem crianças, em Lys essa é uma das primeiras observações com que Alvin se depara. No entanto, à semelhança da cultura de Diaspar, também em Lys se criou o tabu do isolamento, e ninguém pensa sequer em contactar Diaspar, apesar de saberem da sua existência.

Em Lys, Alvin desenvolve a sua personalidade e faz o seu primeiro amigo, Hilvar, com quem explora as redondezas de Lys para encontrar um robot que lhe proporciona os meios para prosseguir a sua aventura fora do planeta, viajando pela galáxia, na tentativa de determinar as razões que levaram os seres humanos a abandonar uma existência galáctica, preterindo-a em favor do confinamento num planeta e numa cidade. As viagens no espaço sideral levam-nos a vários planetas onde eventualmente descobrem uma forma de vida alienígena que lhes permite compreender, enfim, os motivos que levaram a espécie humana a desistir das suas conquistas no cosmos, abrindo uma nova era na existência dos seres humanos.

Apesar da dificuldade que senti na leitura de certas partes da narrativa, esta livro permite-nos, ainda assim, refletir sobre a natureza humana, o papel da amizade no desenvolvimento da personalidade, o confronto de culturas diferentes, o papel que a religião desempenha na sociedade e os perigos da tecnologia. Não sendo definitivamente dos melhores livros que li deste autor, não deixei, ainda assim, de apreciar a sua leitura.

View all my reviews

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Review: Fahrenheit 451

Fahrenheit 451
Fahrenheit 451 by Ray Bradbury
My rating: 5 of 5 stars

Este clássico de Ray Bradbury espantou-me, desde logo, pela sua atualidade. Trata-se de uma história que descreve a transformação operada num homem pelo esclarecimento. Montage era um homem que queimava livros, e o conhecimento que encerravam; vê-se subitamente confrontado com dúvidas, desde as inquietações suscitadas inicialmente por uma pessoa que lia, a seguir pela vida fútil e vazia que levava, logo depois pelas palavras que lia nos livros que salvava do esquecimento e, finalmente, por homens que, como ele, se aventuraram a desafiar a bestialidade.

Ray Bradbury desconstrói e expõe nesta narrativa as características de uma sociedade materialista, embrutecida, controlada, corrompida e ignorante, em que as pessoas vivem para a diversão, para o entretnimento, e, literalmente, queimam a substância. Inicialmente alguém inquieta Montag ao dizer-lhe que raramente via televisão ou ía a parques de diversão, “por isso tenho muito tempo para pensar em ideias esquisitas”, afirmou Clarisse. mais tarde, Montag, numa epifania, dá conta que ele próprio “usava a felicidade como uma máscara e a rapariga tinha fugido através do jardim com a sua máscara”. E então, este homem apercebe-se que “Não sei nada, nada de coisa nenhuma” e que as máquinas desenvolvidas para controlar as pessoas “não gostam nem detestam ninguém. Funcionamm e é tudo”. Mais tarde, descobre que não há nada de social “em pôr uma quantidade de pessoas juntas para as impedir de falar”, ou quando falam, “dizem todos as mesmas coisas e ninguém tem nunca uma opinião diferente”. E é então que, nesta sua vida vazia e reduzida a cinzas, “um livro tomba suavemente, como um pombo branco, nas suas mãos, as asas palpitantes. Na penumbra, uma página se abriu, como uma pluma de neve, as palavras delicadamente traçadas na superfície brance”. E Montag abre os seus olhos e começa a sentir “o livro apertado contra o peito, batendo como um coração”, sentindo “subitamente que o mais importante da sua existência era saber onde tinha encontrado a sua mulher”, porque até disso se tinha esquecido à medida que queimava, lentamente, os livros e os sentimentos. Mas Montag nunca queimava tudo, roubava e escondia um livro em cada ocasião, e agora, olhando novamente para esse livros que salvara das chamas reconhecia que “atrás de cada um desses livros estava um homem […] que os tinha concebido […] qur tinha passado o seu tempo a escrevê-los”. E nesse momento apercebe-se que “vive no imediato. Apensa conta o trabalho e, após o trabalho, a dificuldade da escolha de uma distração. Para quê aprender qualquer coisa, além de carregar em botões, ligar interruptores, enroscar parafusos e porcas?” E assim reconhece que “o homem não tem tempo para reflectir nem para vestir, de manhã. Não há hora de filosofia, nem hora de melancolia […] Devemos ser todos parecidos uns com os outros […] Conclusão: agarremo-nos a tudo o que não obrigue senão a relexos automáticos”.

Depois de arrasar, Ray Bradbury aponta, a seguir, um caminho verdadeiramente revolucionário: “Temos tudo o que é prciso para sermos felizes, mas não somos felizes. Falta qualquer coisa. Olhei em volta e os únicos objetos cuja desaparição me pareceu certa, foram os livros que tenho queimado […] Pensei então que os livros poderiam ser de grande auxílio […] A magia apenas repousa no que dizem os livros, na rede de elementos do universo que eles tecem para nos vestir” o espírito. E Montag apercebe-se que “todos os meus atos estavam em contradição com os meu pensamentos”. E a partir daí, decide romper com o passado porque “Todos devemos deixar qualquer coisa atrás de nós, ao morrermos. Um filho, um quadro, um livro…”

Este é um livro que se lê com deleite e espanto, e faz-nos querer adquirir e preservar, em nós, mais conhecimento, torná-lo tão vivo quanto nós o estamos, e guardá-lo para o transmitir no momento certo – acima de tudo, este livro faz-nos querer ler mais um livro a seguir a outro! Aconselho vivamente a todos aqueles que gostam de livros. E “se nos perguntarem o que fazemos, podemos responder: Nós lembramo-nos”!

View all my reviews

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

WordPress em formato ePUB

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

Você já pensou em transformar as postagens do seu blog em livros nos formatos PDF, Kindle e ePub? Se sim, conheça alguns plugins para WordPress que vão te ajudar muito! – See more at: http://www.dualpixel.com.br/labs/wordpress-em-formato-epub#sthash.rxwTdfEv.dpufVocê; já pensou em transformar as postagens do seu blog em livros nos formatos PDF, Kindle e ePub? Se sim, conheça alguns plugins para WordPress que vão te ajudar muito! – See more at: http://www.dualpixel.com.br/labs/wordpress-em-formato-epub#sthash.rxwTdfEv.dpuf

See on www.dualpixel.com.br

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

10 Free Resources for Learning JavaScript and HTML5

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

Pin It Share Tweet

Nuno Magalhães Ribeiro‘s insight:

10 recursos interessantes para aprender a programar páginas web com HTML5 e JavaScript

See on inspiredtoeducate.net

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Review: O Silo (Silo, #1)

O Silo (Silo, #1)
O Silo (Silo, #1) by Hugh Howey
My rating: 5 of 5 stars

Este é um daqueles livros que marcam – o autor imaginou uma história muito original que despertou o meu interesse logo desde o início e vai desenvolvendo a narrativa, desvendando pormenores e aumentando o suspense à medida que, em cada capítulo, nos relata a história vista pelo personagem que protagoniza esse capítulo. O livro está muito bem escrito e também bem traduzido (apenas deparei com uma ou duas situações em que a palavra mais adequada em Português não foi a utilizada, transparecendo a tradução literal do conceito em Inglês). A estrutura do livro está de facto bem construída, já que à medida que a narrativa vai avançando, são-nos apresentadas pequenas revelações, algumas antecipadas, mas outras totalmente inesperadas, o que aumenta o prazer da leitura, estimula para continuar a ler e não nos deixa parar de ler. E à medida que se avança, a forma como os pormenores são revelados permite-nos construir uma imagem mental dos locais e dos personagens que é quase cinematográfica.

Gostei da forma dinâmica como os personagens ganharam vida ao longo das páginas do livro, em constante evolução à medida que os acontecimentos se desenrolam, e também da forma como o contexto em que a história decorre nos apresentar situações verosímeis, caso estes acontecimentos se vierem a verificar na realidade. A sociedade pós-apocalíptica que nos é brutalmente exposta nos primeiros capítulos é, mais tarde, justificada e explicada, e não difere muito das sociedades atuais em que a maioria das pessoas são controladas e manipuladas sem disso se aperceberem, por um conjunto limitado de pessoas que detêm o conhecimento da verdadeira realidade. O que é inovador neste livro é o contexto em que as noções de poder, controlo, coragem, amizade e amor são desenvolvidas. Deste ponto de vista, o livro permite-nos fazer reflexões muito interessantes que se prolongam no tempo, mesmo depois de termos terminado a leitura, já que a história permanece viva na nossa imaginação. Por exemplo, gostei, em particular, de uma atitude tomada por uma personagem, que nos assegura que a força de carácter dos seres humanos pode ser mantida, mesmo em condições extremamente adversas e desesperantes, em que ninguém estranharia que as pessoas simplesmente desistissem de lutar. A vontade de alterar a realidade, construir um Silo (mundo) diferente, baseado no conhecimento e não no ocultismo, baseado na capacitação das pessoas e não na respetiva manipulação, e ainda baseado na vontade coletiva em detrimento das motivações de elites dá-nos, na verdade, muito que pensar.

No último capítulo do livro são-nos apresentadas revelações, quer de ordem histórica, quer de possibilidades para o futuro das personagens, que me despertaram a curiosidade para ler os dois livros restantes da trilogia: “Shift” (o segundo livro que se trata de uma prequela que desvenda a forma como o Silo veio a existir) e “Dust” (o terceiro livro que desenvolve a narrativa a partir do ponto em que terminou neste primeiro livro).

Em suma, trata-se de um livro que se lê com avidez e que nos apresenta material suficiente para longas horas de reflexão sobre a nossa própria condição humana. Por tudo isto, considero que é uma leitura obrigatória para todos os fãs de ficção científica distópica, mas também aconselhado para todas as pessoas que gostam de ler um bom livro.

View all my reviews

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

How the “internet of things” will replace the web

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

The second in a series. We’ve already written about why 2014 is really, finally the year that the “internet of things”—that effort to remotely control every object on earth—becomes visible in our everyday lives.

Nuno Magalhães Ribeiro‘s insight:

A "Internet of Things" é um conceito que designa uma revolução tecnológica que representa o futuro da computação e da comunicação, e resulta da integração da Internet e das redes de telecomunicações com o mundo físico. A sua utilização tem o potencial de proporcionar uma grande integração de tecnologias distintas e dispersas, a possibilidade de viver o quotidiano e resolver problemas de uma forma mais prática, aliadas a uma redução de custos, já que nos permite possuir um controlo maior sobre os objetos tenológicos que utilizamos diariamente. Para isto, são utilizadas várias tecnologias que funcionam em conjunto, incluindo, entre outras, redes de sensores, RFID, redes wireless e nanotecnologias. A combinação destes desenvolvimentos tecnológicos conduzirá a uma "Internet das Coisas" que interliga os objectos do mundo de um modo sensorial e inteligente

See on qz.com

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

10 Reliable HTML5 Video Players for Websites

See on Scoop.itMultimédia e Tecnologias Interativas

Recently Flash players were extremely popular, but now they are going with the times. More often users choose HTML5 solutions. Choose your very best HTML5 video player!

See on designwebkit.com

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário